De volta à entrevista do campeão da França e jogador do World Padel Tour Bastien Blanqué, quarta-feira, 20 de maio, no "Cara-a-Cara" no Live no Instagram.

  • Em relação à sua contenção

Voltei de Madri por volta de 13 de março para Toulouse com meus pais. Consegui ter uma boa entrevista física em casa. Em momentos como esses, ainda é melhor estar com sua família. Estou pensando em voltar a Madri em junho.

Tive um começo difícil na temporada, mas tenho uma equipe que me segue e com a qual trabalhei durante esse confinamento, principalmente com meu treinador mental. Também trabalhei fisicamente seguindo um programa de segunda a sábado, coisas que você não necessariamente tem tempo para trabalhar em um ano inteiro.

Era para estar pronto para a recuperação que eu fiz tudo isso!

  • Seu começo em padel

Antes do padel, eu jogava tênis muito jovem dos 4-5 aos 10 anos aproximadamente. Joguei muito futebol como goleiro por 7-8 temporadas em Blagnac.

Comecei a jogar padel aos 14 anos, em Blagnac, em associação com o Padel + por diversão. Aos 16 anos, eu me classifiquei para fazer parte do time francês com Emmanuel Tecles durante um torneio em Aix en Provence, no qual jogamos muito bem ao derrotar bons times. E saí aos 17 anos para disputar o Campeonato Mundial em Cancun em 2012, foi o primeiro grande passo da minha carreira.

Jérémy Scatena e Robin Haziza sempre jogaram no time 1. Joguei com Alexis e Kevin e Patrick Fouquet jogamos juntos e estávamos filmando como time 2 ou 3.

Quando conheci esse esporte, ele imediatamente se tornou uma verdadeira paixão. Dez anos atrás, eu não achava que seria campeão da França nas três vezes.

Como não sou do tênis, brinco com meus pontos fortes: brincar com as janelas, os efeitos, as grades, os ângulos, a leitura do jogo.Eu gosto de estar na defesa e confio nela, prefiro 'em outro lugar, esteja na parte inferior do que na rede.

  • Seus parceiros

Comecei a disputar competições amadoras com um amigo meu, depois com o Clément Aricot, quando comecei a fazer competições oficiais. Depois toquei com Emmanuel Tecles, Laurent Imbert, Alexis Salles e, finalmente, com Johan Bergeron.

Para constar, durante o torneio classificatório para o Mundial de 2012, Clément Aricot estava um pouco atrás no ranking para poder participar. Emmanuel estava no ranking para poder participar, então decidimos ir juntos de carro quando não nos conhecíamos. Depois do campeonato mundial, joguei com Laurent até ele parar gradualmente de jogar, então me juntei a Alexis Salles depois. Jogamos a Copa Nacional de Padel contra Johan Bergeron e Pierre Etienne Morillon, a quem vencemos. A partir daí, montei meu projeto na Espanha, chamo Johan para vir comigo, que primeiro diz não para mim e depois decide me seguir nessa aventura.

  • Sobre sua história no campeonato francês com Johan Bergeron

A primeira temporada em que partimos para a Espanha, não nos conhecemos com Jo. Nós nos damos muito bem, no campo nos complementamos, ele com seu jogo de tênis para a frente e batendo forte, e eu com meu jogo de padel e paciente. Primeiro campeonato francês, jogaremos sem pressão, porque se tivéssemos perdido, as pessoas diriam que faz apenas alguns meses desde que partimos para a Espanha treinar, e se tivéssemos vencido, as pessoas teriam dito que foi normal.

Durante a nossa segunda temporada, começamos um ano complicado porque perdemos para Adri e Ben muitas vezes, em julho, contra Jérémy Scatena e Maxime Moreau, eu estava um pouco no buraco na época. Foi difícil montar nosso jogo durante esse período. Chegamos ao campeonato francês em Toulouse pensando que seria difícil, dado o ano passado.

Então, no ano passado, tivemos uma ótima temporada, então chegamos com confiança em relação ao ano anterior. Tínhamos um pouco de medo: jogar em casa, com o público, nas quadras rápidas. Mas estávamos tão bem preparados que chegamos muito bem.

  • Sobre o World Padel Tour

No primeiro ano, eu toco no circuito internacional com Jo, não conhecíamos o circuito, éramos jovens. Temos uma temporada bastante média, mas vencendo alguns jogos, decidimos continuar juntos na segunda temporada. É difícil montar nosso jogo e jogar bem juntos no WPT. No final deste ano, Jo decide ir treinar em Barcelona para mudar o ambiente, a estrutura. Tivemos uma grande discussão, durante a qual pensamos que seria bom jogar com espanhóis experientes e acho que foi uma boa escolha.

No momento, estamos abertos à idéia de repetir juntos.

  • No início da temporada

Eu tive um começo pessoal muito complicado na temporada. Eu tive que jogar com Jordi Muñoz, mas havia o campeonato espanhol pouco antes e ele só me avisou duas semanas antes do torneio que ele não poderia fazer Marbella comigo. Felizmente, Javier de Paiz, um canhoto muito bom que eu conhecia, que já fez um empate final, se ofereceu para jogar com ele quatro dias antes do encerramento do registro. Tivemos um torneio muito bom, depois de uma primeira partida complicada.

Um torneio muito encorajador para o futuro.

  • Javier de Paiz ou Jordi Muñoz?

Vamos ver, será jogado entre os dois. Aconteça o que acontecer, é apenas positivo. Por enquanto, certamente haverá mais Jordi Muñoz para três torneios, o que foi planejado. Eu acho que a experiência dele pode me trazer muito. Mas se Javier realmente quiser brincar comigo, vamos ver.

  • Em relação à escolha de Robin Haziza

É uma perda para a equipe masculina francesa. À direita, haverá Bergeron e Tison, e atrás havia Robin e atrás havia um pouco menos de nível. Existem jogadores: Nico Trancart, Simon Boissé, Loïc Lepanse, Jérémy Ritz. Para mim, Jérémy Ritz joga muito bem, Jérôme Ferrandez também, ele era alguém importante dentro do grupo. Cada um tem seus pontos fortes, será difícil para o treinador fazer sua escolha.

Além disso, é uma chance de ter Robin como treinadora da seleção feminina da França.

  • Quanto à escolha de trocar de pares no Campeonato Europeu

Na última partida, contra a Itália, todos decidimos mudar os pares. Benjamin Tison se machucou, então decidimos colocá-lo no time 1 para que ele pudesse se aquecer bem e ter um horário fixo. O terreno era muito rápido, não podíamos sair e tivemos Scatena e Bergeron, dois rebatedores. Robin e eu teríamos jogado o terceiro jogo.

Scat teve um começo muito bom no ano, queríamos colocá-lo com um jogador muito bom: Ben se machucou e o colocamos com Jo. Fiquei decepcionado por não poder jogar, necessariamente me machucou, mas concordei com essa escolha.

Encontre o + / Perguntas dos internautas / INSIDE no podcast aqui: https://www.youtube.com/watch?v=Y4l8swEvq7M&t=1598s

Xan é um fã de padel. Mas também rugby! E suas postagens são igualmente fortes. Treinador físico de vários jogadores de padel, ele encontra posts atípicos ou lida com tópicos atuais. Também fornece algumas dicas para desenvolver seu físico para padel. Claramente, ele impõe seu estilo ofensivo como no campo de padel!

Identificações