“Há aaaaa paaaas o fogo no laaac! “, costumávamos dizer na França quando queríamos zombar de nossos amigos suíços. Essa proverbial lentidão, inspirada no sotaque arrastado dos romanos e no caráter calmo dos berneses, retarda o desenvolvimento da padel Suíço?

Não estamos falando aqui da velocidade do jogo, pois em padel – e principalmente na Espanha – saber jogar devagar (e com paciência) é uma qualidade que muitos tenistas levam anos para adquirir. A lentidão em questão é aquela com que o padel está se desenvolvendo na Suíça, um dos países menos avançados da Europa nessa área.

No início de 2021, estimava-se que apenas 4500 o número de praticantes na Suíça e cerca de trinta o número de lugares onde se pode jogar. Estes números aumentaram desde então, com agora cerca de uma centena de tribunais em 45 locais, e provavelmente cerca de dez mil praticantes... (leia abaixo)

Hornuss e skittles St. Gallen, uma competição?

Graças à publicação de um interessante artigo de Mathieu Aeschmann defende o site econômico Bilan.ch, tentaremos entender por que o boom vivido pelo padel na Itália (6000 faixas), Suécia (3500 faixas), Bélgica (1500 faixas) ou França (1300 faixas) tem um impacto tardio em solo suíço.

Uma cruel falta de rastros.- Se o padel faz menos sucesso na Suíça do que em qualquer outro lugar, não é por causa da competição de esportes tradicionais e típicos, como chifre ou os skittles de Saint-Gall (de origem alsaciana, segundo alguns). Os suíços que adotam o padel são geralmente seduzidos da mesma forma que outros europeus. Mas infelizmente para eles, eles têm muito pouca terra para praticar. "No inverno em Genebra, há uma espera de quinze dias para conseguir uma pista", lamenta uma das testemunhas entrevistadas por Mathieu Aeschmann.

A barreira do preço? Tocar em padel na Suíça é geralmente mais caro do que na França e, claro, do que na Espanha. Mas não é isso que atrasa este desporto num país onde o salário mínimo ultrapassa os 3000€ e onde o nível de vida é muito elevado. Além disso, alguns clubes suíços, privados ou associativos, oferecem condições muito atrativas.

Aluguéis muito caros, salários muito altos.- O que realmente dificulta a abertura de centros privados dedicados à padel, é o preço muito alto dos aluguéis, especialmente nas áreas mais populosas. O artigo do Bilan.ch cita preços médios de 30 francos suíços (quase tantos euros) por mês para alugar um complexo de 000 m². Tal superfície acomodará um máximo de oito a dez campos, desde que o espaço ocupado pelos balneários e o bar, essencial ao convívio do local, seja limitado. Se somarmos a isso o custo dos funcionários, que é mais alto do que em outros lugares da Europa (exceto Luxemburgo), vemos que a lucratividade é mais difícil de alcançar.

Este clube de Basileia é um dos mais baratos da Suíça. É até grátis todas as terças à noite...

Onde estão as estrelas do futebol? Em vez de alugar, é melhor comprar ou construir um quarto dedicado a padel na Suíça? Neste país onde muitas vezes é necessário se endividar ao longo de várias gerações para se tornar proprietário, isso é um sonho, pois levaria décadas para amortizar o investimento. Como resultado, os bilionários não se apressam em investir: assim, ex-astros do futebol vivem na Suíça principalmente por questões fiscais – e não para injetar sua riqueza lá, como fazem na Itália, Suécia ou até na França.

O preço das pistas.- Isso não diz respeito apenas à Suíça, mas a toda a Europa: enquanto uma trilha de padel poderia custar de 25 a 30 euros há três ou quatro anos, esse preço quase dobrou desde então. Em questão, o aumento de matérias-primas, o de combustíveis e a explosão da demanda que estimulam os fabricantes a rentabilizar caro seus serviços.

Financiamento público quase ausente.- Ao contrário da França, onde os clubes associativos podem beneficiar de subsídios muito importantes dos municípios, departamentos e regiões, o desenvolvimento do padel na Suíça raramente se beneficia de dinheiro público.

Uma federação fraca.- suíço Padel (ou SUIPA) a Federação Suíça de padel, é independente da federação de tênis. Está, portanto, muito, muito longe de ter o poder financeiro, os funcionários, as infra-estruturas e a experiência da Federação Francesa de Ténis, que supervisiona o padel desde 2014 e aposta alto neste esporte. E, claro, não há lugar na Suíça tão lendário quanto Roland-Garros para receber os melhores jogadores do padel mundo e promover a cobertura da mídia internacional.

cerveja self-service

Mas toda a esperança não está perdida para os aficionados suíços de padel. Muitos às vezes vêm jogar em países vizinhos – França e Itália na liderança – para aproveitar mais infraestrutura e preços mais baixos.

No entanto, alguns suíços beneficiam de condições vantajosas: é o caso dos jogadores do clube atípico de Klybech, em Basileia, oferecendo uma pista rosa única, onde uma hora de jogo custa menos de 7€, bolas e raquetes incluídas e cerveja self-service. Melhor ainda, a prática é gratuita e gratuita todas as terças-feiras a partir das 19h… A este preço, são os franceses que atravessam a fronteira para provar o padel para a Suíça!

“A federação SUIPA (Suíça Padel) lista atualmente cerca de uma centena de cursos em toda a Suíça, distribuídos por 45 a 46 sites diferentes. O ano de 2022 viu a abertura de novos sites todos os meses. O número de licenciados ativos é de cerca de 800. O número de competições oferecidas também está crescendo, notadamente com os interclubes reunindo 38 equipes de 6 a 9 jogadores, em quatro ligas diferentes. Outro excelente sinal: os patrocinadores começam a se interessar pelo padel, bem como autoridades regionais, que incluem o padel em seus cronogramas de construção esportiva. »

Manuel Faure, vice-presidente da SUIPA
Jérome Arnoux jornalista

Após 40 anos de tênis, Jérôme cai no pote de padel em 2018. Desde então, ele pensa nisso todas as manhãs enquanto faz a barba ... mas nunca faz a pala na mão! Jornalista na Alsácia, ele não tem outra ambição senão compartilhar sua paixão com você, quer você fale francês, italiano, espanhol ou inglês.