Entrevistamos Bastien Blanqué, 116º jogador do ranking do World Padel Tour. Ele fala das notícias muito corridas em termos de competições e da mudança de treinador!

“Ajude Thomas a progredir”

Padel Magazine : Você pode nos contar sobre os dois torneios que realizou com Thomas Leygue no World Padel Tour ? Qual é o seu papel neste par?

Bastien Blanqué: “Sinto-me muito bem apesar dos resultados médios no WPT no início da temporada. Trabalho bem, estou feliz com meu nível de jogo nos treinos, minha condição física. Mentalmente me sinto bem, tenho que ter paciência e os resultados virão.
Com Thomas, é um projeto diferente do que conheci antes. Oferecemos também um jogo diferente, mais moderno, talvez um pouco menos estruturado do que antes se compararmos, mas muito mais ofensivo, arejado e dinâmico.
Meu papel é ajudar o Thomas a progredir, ele é talentoso, tem potencial, tem que aprender e progredir, conversamos muito, nos damos muito bem.
Tivemos um FIP muito bom em Jaen, vencendo 3 jogos e um com um nível de jogo muito bom ao longo da competição.
Por outro lado, o primeiro jogo no WPT com Thomas foi complicado. Ele estava com muita pressão, é normal primeiro WPT com um novo projeto, o primeiro jogo foi mediano por falta de relaxamento.
Na semana passada, o segundo WPT foi muito melhor, estávamos ambos relaxados e fizemos um primeiro jogo muito bom com uma vitória. Atrás disso perdemos com o Garcia / Vera, eles jogaram muito bem, então não há muito o que falar, devemos continuar aprendendo e melhorando juntos. ”

Um novo grupo de treinamento

Padel Magazine : Suas notícias pessoais evoluíram enormemente desde que acabou com Ramiro Choya. Como foi essa separação com o seu “treinador cardíaco”? Com quem você treina agora?

Bastien Blanqué: “Sim com o Ramiro decidimos terminar a nossa colaboração por enquanto, apesar de tudo tínhamos começado a temporada juntos e com o Thomas também. Por trás disso, ele não queria mais perder tempo ou energia para voltar a um projeto com um grupo de treinamento como nos anos anteriores com Paquito Navarro, Alex Ruiz, Pedro Alonso, nós etc. Discutimos isso, fiquei muito triste em parar o projeto com Choya porque ele é um segundo pai para mim, ele é muito importante porque eu não estaria aqui sem ele hoje.

Tínhamos que tirar os pontos positivos e as oportunidades, então ingressamos na StarVie Academy (CARStarVie) com Thomas, com Juanjo Gutierrez, Gaston Malacalza e Gerardo Derito como nosso treinador. Somos cerca de trinta jogadores, treinamos todas as manhãs às 10 horas na VITA10 (Nota do editor: em Boadilla Del Monte, perto de Madrid). Temos no grupo jogadores como Javi Ruiz, Uri Botello, Cok Nieto, Tito Allemandi, Bea Gonzalez, Javi Rico e outros.

Está tudo indo muito bem para nós, fomos muito bem recebidos, um grupo muito dinâmico e com ótimos treinadores! ”

Selecionado para representar a Europa!

Padel Magazine : Você foi selecionado para a América x Europa que terá lugar na Suécia. Como você foi selecionado? Um jogador com quem você gostaria de compartilhar a faixa em particular? Jogadores que você adoraria enfrentar?

Bastien Blanqué: “Estou muito feliz e orgulhoso desta seleção. Este evento excepcional deveria ter ocorrido no ano passado, mas foi adiado devido à Covid.
Será em Bastadn, na Suécia, no final de julho. A competição vai ser uma loucura com um sistema Ryder Cup no golfe ou Laver Cup no tênis, um time da América contra um time da Europa.

Para a seleção, Lisandro Borges é o organizador e quem selecionou os jogadores e capitães. O Ramiro um dia me liga e diz que o Lisandro está procurando um jogador de esquerda para finalizar o time. Será um jogador francês, italiano ou português. Ramiro propôs vários jogadores, inclusive eu, e alguns dias depois fiquei surpreso ao receber uma ligação de um número argentino. Foi Lisandro Borges quem me convidou para este evento. Claro que eu disse sim na hora, fiquei super feliz. Será uma experiência maluca. Vou aprender muito.

Ainda não sei se vou jogar muitas partidas com o set!
O sonho seria jogar contra o Belasteguin que é meu ídolo desde criança. Eu aprendi muito sobre padel assistindo Bela jogar no Padel Pro Tour na época, então essa seria uma grande chance! ”

Bastien Blanqué rouba Alicante World padel Tour

“Para ser semeado em preprevia no World Padel Tour"

Padel Magazine : Temos um ano muito rico em termos de padel. Quais são seus objetivos nas diferentes competições? Você planeja continuar com Thomas no WPT? Além disso, você acha que na seleção é necessário manter os pares que evoluem juntos ao longo do ano?

“Sim, o programa está superlotado, acho que não teremos fim de semana livre até o final de novembro! Tá ótimo, estou feliz. Após o complicado ano de 2020, estamos todos felizes por voltar à competição.
Os objetivos continuam os mesmos, divertir-se, progredir, aprender e os resultados virão. Não me concentro apenas nos resultados!

Em relação ao objetivo principal que continua sendo o WPT, com o Thomas jogamos dois torneios juntos. Eu tenho muitos pontos este ano, estou em 116º, gostaria de encontrar um jogador próximo ao meu ranking para poder ser semeado no preprevia. Converso muito com meu treinador Juanjo para ver as oportunidades que poderíamos ter.
Espero que com o Thomas sejamos selecionados juntos para o Campeonato Europeu. Gosto muito de jogar pela seleção da França, ficaria muito feliz em compartilhar isso com ele. Claro, se o treinador quiser trocar e misturar as duplas, daremos tudo de nós pela equipe. Temos a sorte de poder variar os pares, porque não usá-lo se necessário!
Também esperamos voltar ao circuito francês o mais rápido possível porque falta não jogar na França! ”

a equipa Padel Magazine tenta oferecer a você desde 2013 o melhor de padel, mas também pesquisas, análises para tentar entender o mundo de padel. Do jogo à política do nosso esporte, Padel Magazine está ao seu serviço.