Entrevistado depois de conquistar sua 3ª vitória em um P2000 durante a edição de 2022 das Pirâmides, Bastien Blanqué e Thomas Leygue foram ao microfone da Padel Mag para relembrar esse sucesso.

Um início de jogo “muito mediano”, um grande tie-break final

Padel Magazine : Como você se sente depois de uma luta dessas, uma luta muito apertada em três sets?

Bastien Blanqué : "Cansado. Muito feliz, foi claramente uma luta. Tivemos um início de jogo muito mediano, faltou-nos intensidade... taticamente, não nos ouvimos muito... Não estávamos nele.

No segundo set estamos nos recuperando bem, as táticas foram claras. E no terceiro, nós quebramos e então eu desmorono (mentalmente) por três jogos. Eu deixei Jo [Bergeron] tomar conta de mim na diagonal e bater em mim.

Depois, pudemos respeitar nossas táticas novamente, Thomas me ajudou a voltar e, no final, voltei ao jogo. Fizemos um bom final de jogo, no tie-break ganhámos rapidamente por 4-0 e depois terminámos o trabalho. Então estamos muito felizes. Ganhe um terceiro P2000 com Thomas (Nota do editor: o segundo este ano), é muito legal! »

Bastien Blanqué e Thomas Leygue foto troféu P2000 Pyramids 2022
Bastien Blanqué e Thomas Leygue posando com seus troféus P2000 des Pyramides.

"É muito difícil o que vivemos internacionalmente"

Padel Magazine : Por que você não foi para FIP no Egito e você optou por ir para este P2000?

Thomas Leygue : “Então, pessoalmente, me separei de Jo internacionalmente há muito pouco tempo e para ir ao Egito, teria que ser com alguém com quem eu tocava há muito tempo.

É verdade que eu poderia ter ido lá com Bastien, mas escolhemos jogar no P2000. Acho que precisávamos voltar para jogar na França, ver o público, ganhar um torneio.

Acho muito difícil o que vivemos internacionalmente. Você tem que saber, como eu disse através de comentários ou entrevistas antigas, que vamos a um torneio sabendo que não vamos ganhar o torneio. Para ter confiança, é muito difícil fazer torneios assim. Terminar um torneio com uma derrota é inevitavelmente uma decepção.

Voltar para a França é definitivamente bom para nós. Ter a possibilidade de vencer, mesmo que o nível seja muito alto, é gratificante. Vemos que é difícil e com um grande jogo conseguimos vencer por 7-6 no último set. Honestamente, eles [Inzerillo/Bergeron] mereciam tanto quanto nós. Acho uma escolha muito boa voltar a fazer este P2000 em Paris, em casa. »

“Não seremos favoritos, mas não estaremos longe com certeza”

Padel Magazine : Você se sente favorito para o campeonato francês no final de outubro em Toulouse…. mesmo contra um par Tison/Bergeron?

Bastien Blanqué : “É possível depois de não termos garantido o 2º cabeça de chave, para que possamos encontrar a dupla Tison / Bergeron nas semifinais e não na final. Favoritos? Não, porque Ben é o 65º do mundo, Jo e ele são os atuais campeões franceses, então não seremos favoritos, mas não estaremos longe, com certeza. Vamos ver o que acontece, pelo menos esse é o objetivo este ano com Tom. »

Thomas Leygue : “Acredito que a chave 2 está confirmada, porque me parece que a classificação está bloqueada por um certo tempo antes do início do campeonato francês. E o próximo FIP é daqui a 3-4 semanas e não é possível que levem os pontos uma semana antes para o ranking dos campeonatos franceses. No momento somos o número 3 e 6, de acordo com a lógica e as regras é quase certo que seremos o número 2.

Bergeron / Tison - Blanqué / Leygue P2000 Toulouse 21
Da esquerda para a direita: Johan Bergeron, Benjamin Tison, Thomas Leygue, Bastien Blanqué

“Quando há um momento quente, todos nós ficamos paranóicos”

Padel Magazine : Houve pontos controversos durante esta final das Pirâmides. Foi tenso?

Thomas : "Ainda mais quando você joga contra amigos, porque considero Jo (Bergeron) e Jérôme (Inzerillo) como amigos: é certo que quando você entra em campo, não há mais ninguém que se ame. . Todo mundo quer ter razão, é vencer, é uma luta.

Então é verdade que mesmo que nosso inconsciente esteja convencido de que a bola está certa ou errada, é claro que ainda queremos que ela esteja do nosso lado. Depois é uma forma de administrá-los e às vezes podemos ficar paranóicos porque temos a impressão de que em ambos os lados, todos têm os mesmos sentimentos. Eles têm a impressão de que nos pontos disputados, roubamos o ponto e do nosso lado, é a mesma coisa. Acho que houve um ou dois erros de arbitragem, um do nosso lado e outro do deles.

Como Jérémy Scatena disse no ano passado na final do P2000 nas Pirâmides, seria bom ter árbitros nas finais e semifinais do P2000. Pode haver erros, faz parte de todos os esportes. Não acho que isso mude em nada o resultado da partida. Todos voltámos ao jogo dois jogos depois e o jogo terminou em boas condições. Quando apertamos as mãos, foi um acordo muito bom, houve jogo limpo de ambos os lados. 

Quando há um momento quente em uma partida, quando há rivalidade, quando você sabe que a partida está apertada e vai se resumir a alguns detalhes, bem, todos nós ficamos paranóicos. Temos a impressão de que é o adversário que está errado e que nós estamos certos. »

Nasser Hoverini

Apaixonado por futebol, descobri o padel em 2019. Desde então, tem sido um amor louco por esse esporte a ponto de abandonar meu esporte favorito.