Apesar do seu desenvolvimento global, o padel ainda é atormentado pela desigualdade financeira. Os headliners garantem rendimentos confortáveis, enquanto, por outro lado, os mais anónimos devem aguentar para perseguir o seu sonho. Qual é a realidade do setor em 2024? Alix Collombon, Thomas Leygue et Julien Seurin leve-nos aos bastidores de sua carreira.

Com quase 30 milhões de praticantes registrados, o padel desperta vocações e se assemelha a um novo El Dorado. Contudo, esta visão enfrenta um grande risco, o da precariedade, que ainda está longe de ser resolvido. Nossos três convidados concordaram em nos contar mais.

Economicamente, estabilidade a ser encontrada

Final de 2023, Le Parisien já tinha olhado para a “luta” que os melhores jogadores da França poderiam encontrar. Seis meses depois, a situação mudou (um pouco): é possível viver da paixão, desde que limite os excessos. “Estou conseguindo sobreviver, acho que não perdi dinheiro. Espero que daqui a seis meses ganhe um pouco”, desliza Julien Seurin.

Thomas Leygue Arábia Saudita

Uma opinião partilhada por Thomas Leygue, o número 1 francês (foto). “O prêmio em dinheiro varia. Consigo me pagar 100% mesmo não sendo ainda beneficiário”, ele confidencia. Prova de que devemos, portanto, munir-nos de paciência e coragem antes de alcançar o equilíbrio certo.

Disparidades dependendo do país

Inevitavelmente, os franceses estão seriamente atrás dos líderes espanhóis e argentinos. Suas performances, sua exposição na mídia e sua reputação são uma verdadeira vantagem para os patrocinadores. “Cada jogador tem notas diferentes. Eles terão portas que se abrirão com mais facilidade, porque são os preferidos para eventos”, esclarece Thomas Leygue, que lembra a importância de “torne-se ativo nas redes sociais”.

Coello Tapia vitória Chile 2024

Porém, ser Tricolor também tem suas vantagens. “Acho que ganho melhor que um espanhol ou um argentino do mesmo nível. O facto de ser o número 1 francês e ser um dos únicos a disputar o sorteio final, com Léa Godallier, desempenha um grande papel. Este é um ponto positivo”, juíza Alix Collombon. “Eles ganham menos porque não têm os mesmos patrocinadores que nós”, confirma o número 10 francês.

Hotéis, transportes, formação: custos a antecipar

A vida de um profissional não é fácil. Entre os diferentes torneios e as inúmeras deslocações a realizar, o transporte continua a ser a principal despesa dos nossos entrevistados. “Este ano, temos um orçamento significativo em termos de transportes (avião, comboio). Estivemos na América do Sul duas vezes durante várias semanas, isso tem um custo”., especifica Alix. “Para o hotel, tenho sorte de ser apoiado, porque estou na mesa final, é uma pequena parte do meu orçamento anual. »

via padel copa 2023 hotel

A preparação mental e o treino físico também entram em jogo, sem esquecer… a vida no local, como lembra Julien Seurin. “Muitas vezes temos que nos organizar de última hora dependendo dos torneios. Depende do destino, principalmente porque meus hotéis raramente são pagos”, ele nos explica.

Um orçamento colossal para uma temporada

Então, quanto são as taxas para um ano inteiro? “É muito difícil fazer um orçamento porque depende de muitas coisas: se você quer morar sozinho ou em apartamento compartilhado, se prefere ter um personal coach ou não. Há quem prefira viajar com escalas em pequenas empresas, por exemplo”, diz Tomás.

Foto prateada

Os Aixois e os Melunais evocam uma bifurcação “de 30 a 000 euros”, enquanto a Lyonnaise fala de “50 – 55 euros”. Ela percebe um aumento real nos últimos anos. “Quando cheguei a Espanha, há sete anos, podíamos completar um bom ano com 25 mil euros. Estávamos principalmente em Espanha, e as viagens ao estrangeiro não eram distantes: a Portugal, a Itália... Hoje, falamos de torneios na América do Sul, na Arábia Saudita ou no Qatar, e realmente custa mais caro", ela testemunha. Acontece que a globalização padel também tem suas falhas.

Patrocinadores e prêmios em dinheiro, fontes cruciais de renda

Não é novidade que os patrocínios e os ganhos em torneios são os principais ganhos financeiros inesperados para os jogadores. Para gerar mais receitas, alguns não hesitam em ativar outras alavancas um pouco mais originais. É o caso de Julien (foto) que compartilha suas aventuras com seus 13 assinantes no Youtube.

Julien Seurin Youtube

“O dinheiro do meu canal vai direto para a editora, não há contribuição líquida. Porém, me dá visibilidade para patrocinadores maiores e posso fazer colocações de produtos, ativações comerciais, faturar eventos. Indiretamente, isso tem um impacto real”, lança o canhoto. Além das exposições, há sempre uma solução fundamental: oferecer aulas em clubes. “Se precisarmos de dinheiro, também podemos dar, sim”, aprova seu homólogo destro.

Um estilo de vida a ser perfeito

O que deve ser feito para melhorar a vida diária dos padelé? Todo mundo já tem suas pequenas ideias em mente, começando por Julien Seurin. “Os torneios FIP mudam regularmente. Vamos para a América do Sul, depois passamos para Doha: não existe uma lógica real para as pequenas categorias. Também nos falta FIP Gold e Platinum, é difícil ganhar pontos para o Premier Padel », ele lamenta. Thomas Leygue acrescenta que em caso de problemas, “há também outros circuitos (como oA1 Padel, nota do editor) e a possibilidade de ir para outro lugar. »

ALIX COLOMBÃO

Por outro lado, todos concordam com um pedido muito específico: um aumento na premiação em dinheiro. “Hoje, um jogador que está no top 50 mundial deve ter vários patrocinadores para cobrir seus custos, mas não ganha muito dinheiro”, aponta Alix Collombon (foto), bem ciente da situação atual. “Isso não pode ser feito em um ano. É necessário que o padel é cada vez mais visto e cada vez mais tocado, tudo isso virá com o tempo”. E isso é tudo de ruim que podemos desejar a eles!

Foi através de seu pai que Auxence descobriu o padel, uma noite de junho de 2018. Hoje, ele acompanha apaixonadamente o circuito internacional e provoca o pala em seu clube de treinamento, Toulouse Padel Clube. Você também pode encontrá-lo em La Feuille de Match e LesViolets.com, dois meios de comunicação especializados no Toulouse Football Club.