Padel Magazine : Somos Dylan Guichard e Maxime Moreau para uma perda 6/2 6/2 mas o que você precisa lembrar é acima de tudo essa boa primeira experiência em um torneio internacional?

Dylan Guichard: “Foi a primeira vez, foi legal. Um pouco difícil de me adaptar às condições que me fizeram perder um pouco mais do que o habitual. É um dos poucos torneios que faço ao ar livre. Ainda é divertido e é uma boa experiência. »

Padel Magazine : Maxime, me disseram que você faz parte do último par registrado para entrar na mesa de Doha. Como será para você e quais são os objetivos? 

Maxime Moreau: « Como você disse, em Doha, tenho a chance com Valentino Acosta, meu parceiro que está em 167º no WPT, de ser o último time a retornar, principalmente graças aos seus pontos. Valentino é um jovem jogador argentino que joga muito bem. Estou muito feliz, é um circuito que dá experiência. Hoje fomos derrubados, temos que dizer o que é, mas acho que eles são mais fortes, têm mais experiência, chegam com confiança. Aprendemos e voltaremos a treinar para progredir. »

Padel Magazine : Do seu lado Dylan, outros torneios estão à vista a nível internacional?

Dylan Guichard: « Lá, é um mês bastante excepcional. Eu nunca tinha feito um no exterior e tive sorte, foi feito no último momento, ofereci a Bastien Blanqué para fazer o Doha FIP/QSI e chegamos em último, então vai ser uma ótima experiência. »

Padel Magazine : Maxime, me diga o que você acha de toda essa situação. Como vai terminar, especialmente no que diz respeito aos jogadores?

Maxime Moreau: “Não quero avançar de forma alguma porque joguei muito o WPT há 2, 2 anos e meio e estava um pouco mais no meio. Ouço um pouco da direita para a esquerda, também temos um pouco de informação, mas francamente não sei. Não vou me aventurar, o que sei é que eles estão tentando desenvolver circuitos para que todos os jogadores possam jogar e encontrar seu caminho financeiramente também. Se pudermos simplesmente participar e viver da nossa paixão, acho que já é enorme. Depois do que vai acontecer, de minha parte sou um grão de areia na praia. O mais importante é o que dizem acima e seguiremos a marcha.

Padel Magazine : Todos esses novos torneios são uma oportunidade para jogadores como você tentarem se profissionalizar e ganhar dinheiro para realmente experimentar a aventura internacional?

Dylan Guichard: “É um pouco o mesmo do meu lado. Assim como Max, acabei de pousar, então admito que ouço barulhos da direita para a esquerda, mas também não estou ciente de tudo o que está acontecendo. É verdade que neste primeiro FIP/QSI há muitas equipas que podem entrar. Tenho a oportunidade de jogar com Bastien Blanqué, que já soma pontos, então é uma grande oportunidade para mim. No entanto, para as equipes em que a dupla não terá pontos, não tenho ideia do que acontecerá e se poderemos entrar em torneios como esse. O objetivo para mim é tentar jogar mais e mais agora e em alguns meses para realmente entrar nisso. »

Maxime Moreau: “Como você disse, teremos mais informações nas próximas semanas e meses. queria agradecer 4Padel e a marca Babolat para me apoiar e me permitir jogar esse tipo de torneio, porque você tem que colocar o pé no estribo. É bom que marcas e instituições como essa nos ajudem a vir jogar. Obrigado a eles e obrigado a todas as pessoas que nos apoiam. »

Thomas Jay

Depois de quase 15 anos arrasado pelo tênis, virei fã absoluto de seu primo, o padel. Há quase um ano venho perseguindo a bolinha amarela com outra raquete, mas com a mesma paixão! Com sede em Lyon, pretendo que você conheça melhor o padel na região e a nível nacional.