Categorias: NOTÍCIASentrevistas

Fiona Ligi, que programa para o futuro?

Nós conhecemos Fiona Ligi em Tenerife, onde jogou seu primeiro torneio APT Padel Redondo. Ela faz um balanço conosco do resto de sua temporada e suas ambições para o futuro.

PM: “Como você se sentiu no APT Padel Tower, você que está mais acostumado a jogar no P1000 e no P2000 na França?”

Fiona Ligi: “Gostei muito, não sabia nada. No entanto, a diferença é que são jogos totalmente diferentes. Jogadores que não conhecemos, então temos que nos adaptar e isso é ótimo. O jogo é um pouco mais lento do que na França, por isso é interessante para mim, dado o meu estilo de jogo. World Padel Tour ou o APT ambos são bons, mas estou começando a ter preferência pelo APT.”

PM: “No circuito francês você perdeu a última final que jogou com Laura Clergue. Você acha que poderia jogar na cabeça do treinador para o campeonato mundial no Qatar?”

FL: "Eu não tenho ideia do que ele vai pensar sobre isso. Eu sei que vamos dar tudo de nós em todas as partidas, desde a qualificação até a mesa final de cada torneio. Neste jogo não entramos muito no jogo, acontece, mas é um dos primeiros em que não funcionou a nosso favor. Não vamos parar por aí e vamos dar tudo talvez ao P1000 de Nîmes se não ao P2000 das Pirâmides e até o campeonato francês e depois. Vamos ver o que o treinador decide a seguir.

PM: “Eu sei que conversamos um pouco sobre isso, jogar torneios como esse e ver que você pode fisgar os 60 melhores jogadores do WPT, isso não faz você querer treinar mais? e ver até onde Fiona Ligi pode ir?”

FL: “É verdade que faz muito tempo que não faço um torneio internacional e isso me deu um impulso como nunca antes. A motivação está lá para fazer mais, seja com a Mafalda ou com outros, dependendo do torneio.”

PM: “Duas pequenas perguntas sobre sua parceira na França Laura Clergue: em primeiro lugar, vocês dois conseguem treinar? E isso poderia motivá-la a vir com você em outras turnês se ela encontrar tempo?”

FL: “Treinando juntos não. Tentamos chegar mais cedo antes dos torneios para jogar um pouco juntos. Já temos muitos automatismos, devemos tentar focar nas táticas juntos. Depois a Laura, ela comenta muito sobre o WPT e não sei se a agenda dela permitiria. Mas é claro que se houver possibilidade, pode ser bom vir e jogar um torneio juntos para continuar a melhorar como um par.

Publicado por
Mario Cordero