O fundador da Tennis Magazine e pai de Antoine e Louis Couvercelle, que estão à frente do Grande Padel Merignac, Jean Couvercelle, foi ao microfone da Padel Magazine quando Greenweez Paris Premier Padel Major para responder às nossas perguntas.

“Nunca imaginei que terminaria com um torneio em Roland-Garros”

Padel Magazine : Você entrou no padel, tanto no terreno como como investidor. Como surgiu esta aventura?

Jean Couvercelle “É por duas razões. Porque primeiro na Tennis Magazine, imediatamente dei um pequeno lugar para padel e especialmente graças a você (Franck Binisti). Fui imediatamente seduzido por este desporto que tive a oportunidade de descobrir em Espanha com a família. E, além disso, foi aí que nasceu a ideia de um dia criar um clube, que se tornou o Grande Padel de Merignac.

Eu diria até que fomos precursores nesse caso, pois hospedamos um caderno especial, que se chamava " Padel Magazine “, dentro da Tennis Magazine, no centro do jornal. Havia 16 páginas, eu acho, e havia realmente muito para ler. Foi um encontro que marcamos para os leitores e um encontro para o futuro.

Foi uma verdadeira inovação porque acreditei muito no futuro deste esporte, mesmo que na época não fosse muito conhecido. Além disso, dentro do próprio jornal, nem todos estavam muito convencidos da utilidade de desenvolver esse esporte.

Todo mês, havia uma parte reservada para o padel, e para dizer a vocês, não imaginava na época que terminaria com um torneio aqui em Roland-Garros com essa dimensão internacional.

Todos que seguem a Tennis Magazine fielmente sabem que estamos abertos a padel muito cedo. Foi uma forma de audácia, mas que hoje está sendo recompensada. Mesmo que seja a posteriori, estou muito feliz. 

Como temos um clube de padel além disso, estamos particularmente orgulhosos de ter criado essas duas coisas ao mesmo tempo. »

"O padel faz parte da grande família do tênis”

Padel Magazine : Hoje você não está mais ligado à Tennis Magazine, mas às vezes você não diz a si mesmo que é uma pena que eles não tenham renovado essa "confiança" em relação ao padel ?

Jean : "Sim, é uma pena porque hoje o padel faz parte da grande família do tênis. Está integrado à Federação Francesa de Tênis, então, em todos os aspectos, é uma pena.

Em muitos clubes de tênis hoje, as quadras padel estão instalados e acho que isso será feito cada vez mais. Então, fora os clubes privados que estão indo muito bem, eu diria que hoje faz parte dessa família. a padel tem o seu lugar (nesta família) e terá cada vez mais, acredito. »

As origens do lançamento da “Tennis Magazine” (1976)

Padel Magazine : Conte-nos um pouco sobre o início da Tennis Magazine. Como você começou nesta revista que está no coração de muitos?

Jean : “Também era ousado na época, porque estávamos começando de uma página em branco. Criar um jornal significa ter que imaginar todo o conteúdo, todas as seções para tentar atender às expectativas de quem se interessava pelo tênis na época. Havia muita gente e era um esporte em crescimento, um pouco como padel hoje.

Arrisquei na época, era relativamente jovem e disse a mim mesmo “vou em frente”. Na época, eu trabalhava para o France Soir, que era um grande diário, o maior da França. Saí deste jornal para criar a Tennis Magazine porque queria fazê-lo por si só e não em adição a outra coisa.

Era muita ansiedade para saber se ia corresponder às expectativas de quem partilhava o gosto pelo ténis como eu. E felizmente acredito que visamos apenas o suficiente para que aqueles que gostassem pudessem conhecer e encontrar todas as respostas que pudessem esperar. »

“Cada mês ganhamos leitores, a cada ano ganhamos market share”

Padel Magazine : Como em poucas palavras você pode descrever esta aventura? Houve altos e baixos, eu acho?

Jean : "Não, houve apenas crescimento, mas dito isso, foi muito difícil porque estávamos em um mercado já ocupado por outra revista: Tennis de France, uma revista que pertencia ao presidente da federação, então era muito complicado em comparação com este.

Jogamos a nossa carta, e quem nos ajudou foram os leitores porque imediatamente aderiram à revista. Consequentemente, nos permitiu crescer: a cada mês ganhamos leitores, a cada ano ganhamos market share.

Realmente não houve um mergulho. Houve picos dependendo dos resultados, com a Copa Davis, por exemplo. E isso até que o tênis declinou um pouco. A partir do momento em que o tênis caiu, obviamente o jornal também perdeu alguns leitores. Além disso, isso faz parte de um momento em que a imprensa escrita não está necessariamente no seu melhor, mesmo que sempre haja lugar para a imprensa em papel. Eu estou certo disso.

Evoluímos ao longo desses 40 anos no conteúdo, na apresentação dos assuntos, isso é normal. Mas sobretudo houve imensos momentos de prazer e paixão partilhados com quem nos acompanhou: os leitores, os parceiros e os jogadores, os tenistas claro. »

Assista a entrevista completa em vídeo aqui:

Nasser Hoverini

Apaixonado por futebol, descobri o padel em 2019. Desde então, tem sido um amor louco por esse esporte a ponto de abandonar meu esporte favorito.