JT Peyrou retorna ao P1000 feminino que aconteceu no último fim de semana no Big Padel Bordeaux.

Padel Magazine : Como resumir este torneio em poucas palavras ?

“Foi um torneio 100% feminino. Tentamos modelar a organização com base na do torneio masculino em dezembro. Para o desenvolvimento de padel mulheres tentamos organizar um torneio para a elite francesa exclusivamente para mulheres e que fosse seu próprio torneio dedicado. Acredito, ao ver os sorrisos, e os retornos dos jogadores, que fomos unânimes. É ótimo para eles, estamos muito felizes.”

Padel Magazine : Como surgiu essa ideia de querer homenagear os melhores jogadores franceses? 

"Já estou no circuito nacional francês há alguns anos e tive feedback dos jogadores. Na maioria das vezes, os torneios femininos são muitas vezes justapostos aos torneios masculinos e as meninas muitas vezes ficam para trás. Há alguns anos, até alguns meses atrás, os clubes tinham medo de organizar um torneio feminino, por medo de não conseguir preenchê-lo.

Decidimos com o Grande Padel para tentar a aposta. Tendo em conta as inscrições, com mais de trinta equipas, na sua maioria jogadores da elite francesa, penso que é um sucesso. Este torneio é positivo para o desenvolvimento do padel feminino."

Padel Magazine : Já havia torneios 100% femininos antes, você se inspirou neles? 

“Sei que alguns torneios femininos foram organizados e tenho certeza de que foram muito bem organizados, mas isso é muito raro. Este torneio foi organizado nas mesmas condições que os homens com um prêmio em dinheiro ligeiramente maior para os vencedores. Também oferecemos trocas de bola, o fisioterapeuta esteve no local todo o final de semana, lavando as janelas durante as partidas, uma noite agradável no sábado à noite e depois os pequenos toques que fazem a diferença, acho importante . Existe uma parceria ganha-ganha para o clube, mas sobretudo para os jogadores que investem muito. Saúdo todos os outros clubes que tiveram a iniciativa deste tipo de projeto antes de nós.

Padel Magazine : Este torneio pode se tornar um elemento fixo no calendário?

“Eu tinha a ambição, há alguns meses, de organizar um torneio internacional muito grande neste mesmo período, aumentando o prêmio em dinheiro. No final, a ideia não se concretizou e ficamos com a organização de um p1000 mulheres. O certo é que, dado o entusiasmo dos jogadores, o feedback que tivemos, este torneio vai acontecer todos os anos à mesma hora. No início do ano, o mês de fevereiro não é ruim porque a temporada ainda não começou totalmente. Espero que para o desenvolvimento de padel feminino, todos estarão presentes no ano que vem.”  

Mai Vo e Manon Garcia (esquerda) perderam na final contra Élodie Invernon e Charlotte Soubrie (direita)

Padel Magazine : Houve um campo feminino muito bom e você pode nos dar um resumo do torneio do ponto de vista esportivo?

“A dupla que surpreendeu a todos foi a dupla Mai Vo e Manon Garcia que cruzou o tabuleiro. Nas oitavas de final, venceram em dois sets contra Lucile Pothier e Wendy Barsotti, que perderam um pouco a partida, mas ofereceram um grande padel. Depois houve uma grande semifinal contra Amélie Detrivière e Tiffany Phaysouphanh. Tiro o chapéu para eles porque são novos jogadores chegando e o padel feminino tem um futuro brilhante pela frente com esses novos concorrentes. Finalmente, uma super final contra Élodie Invernon e Charlotte Soubrie que assumiram o status de favoritas.

Thomas Jay

Depois de quase 15 anos arrasado pelo tênis, virei fã absoluto de seu primo, o padel. Há quase um ano venho perseguindo a bolinha amarela com outra raquete, mas com a mesma paixão! Com sede em Lyon, pretendo que você conheça melhor o padel na região e a nível nacional.