Entrevistas com Jérémy Scatena Cartri, seu novo fornecedor de equipamentos.

Sua estreia no padel

Cartri: Como foi sua relação com o padel ?

Jérémy Scatena: “Eu descobri o padel em 2006, quando meu amigo Nallé Grinda filhos de Jean-Noel Grinda, ex-jogador da Copa Davis, me convidaram para jogar uma partida. Eu estava jogando tênis na época em um nível decente e da noite para o dia entrei padel. Agradeço a Nalle por tudo que fez por mim. Foi ele quem me permitiu progredir e me juntar à equipe francesa desde 2008.” 

Cartri: O que você gostou no padel ?

Jérémy Scatena: “As duas coisas que adorei de imediato foram o convívio e a vertente social do desporto, quer com o seu parceiro, mas também com os adversários do outro lado da rede. Há um aspecto muito lúdico neste esporte que, na minha opinião, não tem igual.” 

Um espinho forte

Cartri: De quais resultados você mais se orgulha?

Jérémy Scatena: “Então é claro que existem vários. Para começar, diria os 2 jogos decisivos com a seleção da França, o primeiro contra a Bélgica nas semifinais do campeonato europeu onde vencemos por 7/6 no terceiro set. E a segunda, nas quartas de final do mundial contra o Uruguai. Então, eu acho que tem as minhas últimas 1 rodadas de prévia no WPT, onde passamos 4 rodadas de cada vez, foram grandes momentos de emoção.

Cartri: Qual é a sua melhor jogada e qual você gostaria de melhorar? ?

Jérémy Scatena: “Meus dois melhores chutes são o smash e o retorno do cuchillo. No chute que eu gostaria de desenvolver, seria melhorar minha qualidade de bola após os golpes adversários. Seria necessário ter sucesso no replay nos pés, principalmente no backhand”.

Cartri: O que significa que a Cartri decidiu apostar em você e por que você escolheu essa marca?

Jérémy Scatena: “Para mim, foi importante ingressar em uma marca que precisa de mim dentro e fora de campo para ajudar a desenvolver produtos ou ajudar a marca a se expandir para novos mercados. A Cartri é uma das poucas marcas que ainda fabrica em Espanha, o que lhe permite manter a qualidade Premium. Escolhi a Cartri por estes motivos e de forma alguma pela parte económica que era menos interessante do que outras.”

Cartri: Qual raquete você vai usar este ano e por que você a recomendaria?

Jérémy Scatena: “Eu escolhi o “Alfa Titã” que é uma raquete redonda com uma borracha bastante dura. É uma pala que me permite ter muito controle nas fases de jogo curto, defesa e transição. É ideal para jogadores avançados que desejam controlar o jogo.”

Le padel evolui lentamente na França

Cartri: Qual é a situação do padel no seu país ?

Jérémy Scatena: "O padel está a evoluir lentamente em França e está a ficar para trás dos seus vizinhos europeus, nomeadamente Suécia, Portugal e Itália. A evolução do número de campos, cerca de 1200, assim como o número de jogadores, é relativamente constante.” 

Cartri: Você acha que o padel, para promover seu desenvolvimento deveria ter uma federação independente da federação de tênis?

Jérémy Scatena: “Esta é uma questão que vai surgir cada vez mais no futuro. A FFT permitiu a padel para ganhar notoriedade rapidamente, mas o desenvolvimento exponencial do esporte assusta os líderes do tênis que o veem como uma competição perigosa para o tênis. Talvez seja um pouco cedo para uma Federação de Padel decolar, mas não está excluído que isso aconteça um dia.”

Dois objetivos principais em 2022

Cartri: Quais são os objetivos para esta temporada?

Jérémy Scatena : “Com o nascimento do novo circuito QSI/FIP Terei dois objetivos principais. A primeira é entrar no sorteio principal de um dos 10 grandes Fip. A segunda é chegar às semifinais de um torneio APT e terminar entre os 30 primeiros. O sonho seria entrar no top 100 do maior circuito do mundo.

Cartri: Qual é o apelido que melhor te define?

Jérémy Scatena : “'El Loco'! As pessoas às vezes tomam minha paixão ou minha raiva para vencer por loucura. Ao mesmo tempo, você tem que ser um pouco louco para deixar sua cidade, país, família e amigos para ir atrás de seus sonhos.” 

Thomas Jay

Depois de quase 15 anos arrasado pelo tênis, virei fã absoluto de seu primo, o padel. Há quase um ano venho perseguindo a bolinha amarela com outra raquete, mas com a mesma paixão! Com sede em Lyon, pretendo que você conheça melhor o padel na região e a nível nacional.