Entrevista exclusiva com Johan Bergeron, recentemente campeão quádruplo da França.

“Eu sempre ignoro os anos anteriores”

Padel Magazine : Qual é a sensação de entrar para a história de padel Francês ? 4 campeonatos franceses, você percebe isso?

Johan Bergeron: “Sim e não, eu percebo isso porque me disseram. A cada ano os campeonatos são diferentes e sempre mais complicados. Eu sempre ignoro os anos anteriores, mas com certeza me dá confiança na minha preparação e na minha gestão do torneio. ”

Padel Magazine : Qual foi a partida mais complicada entre as 4 finais disputadas?

Johan Bergeron: “Os dois contra Benjamin Tison e Adrien Maigret, porque sempre foram partidas um pouco quentes. Isso foi jogado na preparação da partida, nos primeiros jogos ...
Depois disso, este ano foi minha primeira vitória na esquerda. Então foi diferente. Tive menos experiência nesse lado, mas como tinha o Ben ao meu lado, que considero o melhor jogador francês na direita, deu-me confiança e pôde ajudar-me quando as coisas andavam menos. Acho que a final deste ano foi a mais difícil. ”

Padel Magazine : Voltando ao Thomas Leygue, tivemos o feedback de que ele mudou fisicamente e em seu jogo no espaço de algumas semanas, o que você acha?

Johan Bergeron: “É verdade que ele ganhou mais confiança no jogo e, como resultado, Bastien tem ainda mais confiança em Thomas. Ambos jogam muito bem e duvidam muito menos, se soltando mais e se arriscando. Funcionou para ele e acho que vai servir bem para ele nas próximas semanas. ”

Um Gold FIP em St-Tropez

Padel Magazine : Agora que você está no All In, em breve nos veremos em torneios internacionais, em particular no FIP. Também ouvimos falar de um torneio organizado no sul da França, você pode nos contar sobre isso? 

Johan Bergeron: “Temos a ambição de fazer grandes eventos nacionais e internacionais. O de Lyon não está fechado mesmo que a gente queira, mas o que está fechado é o FIP Gold no sul da França em um belo lugar (em St Tropez).
Faremos de tudo para que seja um grande torneio, acho que é o que falta na França, mesmo que haja cada vez mais. Cabe a todos os jogadores na França desenvolver coisas e promover o nosso esporte.

Em Canet-en-Roussillon foi um grande torneio, para a promoção do desporto não podíamos pedir melhor. Temos a ambição de fazer isso nos lugares que são visitados, por isso tivemos a oportunidade de ter a sede do porto em Saint-Tropez. É incrivel. Uma semana antes das velas de St Tropez (em setembro), estaremos em um forte período de passagem por lá. O objetivo que a gente tem é promover o esporte e acho que esse lugar vai permitir. A ideia é que seja veiculada pelos meios de comunicação e redes sociais, e sinceramente que uma televisão como o Canal + transmita a competição seria o objetivo a ser alcançado. ”

Menos circuitos internacionais, mais All-In

Padel Magazine : Qual é a sua programação para os próximos meses, no circuito nacional e internacional?

Johan Bergeron: “Para ser sincero, ninguém sabia, exceto meus parentes (incluindo Ben Tison), eu disse que depois do campeonato francês ia reduzir o circuito internacional. Eu joguei 4-5 meses ou estive completamente em todos os torneios ao longo do TUDO EM, além dos torneios franceses… A cada 3 dias estive em cidades diferentes. É chato e acima de tudo me limitou a desenvolver o que eu queria fazer para o All In. Eu tinha me preparado para o campeonato francês porque esse era o objetivo do ano. Lá, a partir de hoje, vou jogar muito menos em torneios internacionais e focar no desenvolvimento do All In. Ano que vem vou fazer algumas etapas do WPT, algumas etapas do FIP, porque não o APT mas vou selecionar de acordo com o calendário e a beleza do torneio ”.

 

A entrevista pode ser consultada na íntegra aqui:

 

Apaixonado por futebol, descobri o padel em 2019. Desde então, tem sido um amor louco por esse esporte a ponto de abandonar meu esporte favorito.