Laura Clergue não é apenas uma campeã de padel, mas também é uma lutadora. Ela quer se dar os meios para ir o mais longe possível. A bicampeã francesa em 2015 e 2016 com sua parceira Audrey Casanova tentará sua sorte no World Padel Tour.

Laura, você esperava ir tão rápido no meio do padel?

Tudo está indo muito rápido para mim, de fato. Descobri o padel no 2014. Além disso, também esteve parcialmente com você, em Manosque (nota na inauguração do Clube Padel de Manosque - Henri Leconte). Estou pensando em meu treinamento no Set Club d'Aix. O padel é um amor à primeira vista. Graças à minha formação no tênis, pude adquirir rapidamente algumas boas bases. Fui ajudado por minha comitiva pro padel.

Um ano depois, você se tornou campeão da França ...

É verdade que é incrível. Com Audrey, conseguimos nos tornar campeões repetidos da 2 no padel da França 2015 e este ano. Enquanto jogo apenas padel da 2014. Tudo é incrivelmente rápido e, tanto melhor!

E agora ao assalto da World Padel Tour ...

Uma nova aventura para mim. Coloquei o trabalho de lado para me dedicar ao 100% padel. Eu estou indo para Madri, o coração do padel profissional. Grandes jogadores de padel vêm de Madri. Vou treinar no Sport Center Manolo Santana. Os melhores treinadores estão na Espanha. E o meu, será Gaby Reca, o ex-campeão mundial de padel. Não podemos sonhar com melhor.

Você tem ambições desde o primeiro ano?

O World Padel Tour não é fácil. Antes de ir longe, você tem que passar por etapas. E estes estão longe de ser fáceis. Como o tênis, você precisa ganhar pontos para participar das etapas profissionais de remo. E então, é necessário passar as qualificações antes de possivelmente integrar a tabela principal. Em suma, a estrada é longa.

Mas sim, eu sou um concorrente. Eu sei que é possível fazer alguma coisa. Então eu vou para isso completamente.

Vemos o World Padel Tour dragar os estrangeiros para fazê-los entrar no circuito profissional. Uma coisa boa?

Por enquanto, o que vejo é a dificuldade de preparação antes da World Padel Tour.

Tudo é jogado na Espanha ou quase. Portanto, se houver algumas instalações, não diremos não. Mas, no final, o campo prevalecerá como sempre.

Você é o primeiro francês a experimentar a aventura profissional.

Eu acho que não serei o único. Mas estamos falando da Espanha. Fica ao lado da França. Nós vamos jogar padel. Sim, a aventura será linda e faremos tudo para ir o mais longe possível, mas estou muito confiante em minha adaptação na Espanha.

Penso que ser o único estrangeiro neste ambiente muito espanhol ou argentino será uma coisa boa para mim. Eu sei que a comunidade profissional de remo está emocionada ao ver esse esporte se internacionalizar.

Em breve outros franceses seguirão o exemplo?

Espero que sim. De qualquer forma, espero que minha aventura na Espanha permita que outros entrem no circuito profissional.

Franck Binisti

Franck Binisti descobre o padel no Pyramid Club em 2009 na região de Paris. Desde então padel faz parte de sua vida. Você costuma vê-lo em turnê pela França, cobrindo os grandes eventos franceses de remo.

Identificações