O presidente do Federação Internacional de Padel Luigi Carraro apresentou recentemente a primeira versão do “World Padel Report”, uma análise das atividades do FIP realizadas pelo seu próprio centro de pesquisa. Através deste documento de 54 páginas, o padel revela todas as facetas de sua expansão global. Aqui estão as quatro questões a serem lembradas.

A Argentina é realmente a segunda nação atrás da Espanha?

Veterano Mundial Argentina Espanha 2024

No mundo de padel, tem a Espanha, a Argentina… e os outros. E sem surpresa, a batalha é dura entre os dois maiores países deste desporto. Segundo os números do relatório, os argentinos são (por enquanto) os únicos capazes de travar a hegemonia ibérica a nível desportivo. Por exemplo, estão atrás da Espanha em termos de vitórias em torneios FIP (69 contra 292) e vitórias no Premier Padel (16 contra 34).

No ranking masculino, apenas 12 jogadores no Top 100 não são nem argentinos nem espanhóis, contra 19 entre as mulheres! Um domínio que continua durante os Campeonatos Mundiais Nacionais, onde os rivais competem regularmente pelo título. É simples: desde a criação deste torneio, nenhuma final (masculina e feminina) foi disputada sem a presença de um dos dois países. Juntos somam 31 medalhas de ouro, 28 de prata e 1 de bronze em 32 edições.

No entanto, a Argentina está atrasada em termos de infra-estruturas. Les Pibes nunca acolheu uma única etapa do FIP Promises, o circuito juvenil, e só acolheu seis competições internacionais FIP desde 2019. Uma verdadeira anomalia quando se tem 7 pistas (terceiro maior total).

Suécia ou Itália, qual é o segundo país europeu?

Voleio de forehand canhoto Perino premier padel 2023

Por trás dos gigantes de padel, duas nações do Velho Continente lutam entre si: Suécia e Itália. Exceto que, no momento, não há debate real, já que a Bota sobrevoa seu oponente em todos os níveis. Os italianos têm, de facto, 9 terrenos à sua disposição, quase o dobro dos escandinavos (050). Eles organizaram e venceram 4 torneios, enquanto os suecos somam apenas 200 etapas e 62 vitórias.

Além disso, vale lembrar que os italianos conquistaram duas medalhas de bronze em Mundiais (2021 e 2022).

Na elite, a Península também tem uma pequena vantagem. Tem 12 representantes no Top 100 (incluindo Carolina Orsi e Denis Perino, na foto), enquanto os Blågult têm apenas dois headliners: Carolina Navarro Björk (33) e Daniel Windahl (50). Contudo, podemos qualificar estas estatísticas observando que a Itália tem vários argentinos naturalizados...

França ou Itália, quem leva vantagem?

TRILHAS FRANÇA VERSUS ITÁLIA PADEL

Aos poucos, a França também se afirma como ator no padel europeu, mas será necessário fazer mais para alcançar a Itália. Há uma grande lacuna em termos de quadras (apenas 2 na França) e de jogadores no circuito. Entre os tricolores, nenhum homem conseguiu se firmar no Top 150 desde a aposentadoria de Benjamin Tison, enquanto entre as mulheres apenas duas jogadoras vão bem: Alix Collombon (100) e Léa Godallier (30).

Contudo, nem tudo deve ser jogado fora a nível internacional. Se os italianos estão à frente dos franceses nos torneios FIP (62 vitórias contra 25), os nossos nacionais brilham mais durante os Campeonatos Mundiais. Eles têm medalha de bronze feminina (2012) e masculina (2022) e sediaram a edição de 2000 em Toulouse, ao contrário dos Transalpinos. Será que a França conseguirá ganhar vantagem nos próximos anos? Continua…

Quais são as duas nações de padel o mais surpreendente?

P2 Bruxelas 2024 Premier padel oitavos

Nós tínhamos saído Paraguai em 2018, no final de um fiasco que marcou o planeta padel. Seis anos depois, ele parece ter se recuperado bem. Ter a menor proporção de habitantes por estrada padel (3) atrás da Espanha, este país latino-americano avançou em termos de organização, como pudemos constatar durante o P431 em Assunção. Também está surgindo uma nova geração promissora, com medalha de ouro conquistada no Mundial Juniores (2) e 2021 competições FIP conquistadas…

Na Europa, é a vez de Bélgica ficar animado com a bolinha amarela. Desde o fim do confinamento, a procura explodiu em Quiévrain: mais de 439 novos profissionais foram identificados no espaço de quatro anos. Clément Geens e Helena Wyckaert defendem as cores belgas e a organização de torneios (P000 Bruxelas na foto, FIP Rise Koksijde) está a aumentar. Antes de uma subida irresistível?

O documento completo pode ser encontrado abaixo:

Foi através de seu pai que Auxence descobriu o padel, seis anos antes. Hoje, ele acompanha com paixão o circuito internacional e provoca a pala em seu clube de treinamento, o Toulouse Padel Clube. Você também pode encontrá-lo em La Feuille de Match e LesViolets.com, dois meios de comunicação especializados no Toulouse Football Club.