Foi em torno de um delicioso café que pudemos trocar com Maximiliano Sanches. Para quem ainda não o conhece, o natural de Villa Mercedes, na Argentina também apelidado de “el tiburon” (o tubarão), foi o número 1 do mundo em 2018 ao lado do amigo Sanyo Gutiérrez.

De volta aos seus primeiros contatos com a pala e em sua jornada desde a infância na Argentina até hoje.

Roland-Garros: o pináculo

“É um lugar idílico para nós, jogadores de padel. Nunca pensamos que poderíamos vir e jogar aqui. Há dois anos isso era impensável. a padel deu um salto incrível. Enche-me de alegria e orgulho porque adoro este desporto e quero vê-lo nestes magníficos estádios (Foro Italico, Roland-Garros ..)”.

“É difícil colocar em palavras a atmosfera que emana deste lugar. Para um esportista é o auge. Estar neste lugar emblemático é sentir-se 100% profissional, é dizer a si mesmo que todo o trabalho realizado ao longo de tantos anos está finalmente a dar frutos. Milhares de jogadores passaram por este campo central, nós os admiramos na televisão e hoje é a nossa vez”.

“Liguei para meu pai para dizer a ele que queria me profissionalizar”

"Eu comecei em padel quando eu era muito jovem, em minha cidade natal de Villa Mercedes, San Luis na Argentina. Eu devia ter uns 6 ou 7 anos. Meus irmãos também jogaram padel e todo fim de semana percorríamos vários quilômetros para participar de competições. Foi desse aspecto social que eu também gostei porque tive a chance de fazer muitos amigos nesse período.

Por volta dos 15, 16 anos eu vi que estava em condições de fazer torneios e gostava disso, de treinar, de trabalhar para ser competitivo na pista. Foi aqui que fiz minha estreia no circuito profissional da Argentina. Quando fiz 18 anos, tomei a decisão de ir para a Espanha porque era onde estavam todos os maiores jogadores do esporte. Quando participei da minha primeira competição em Marbella, ainda me lembro muito bem, me apaixonei pelo circuito profissional espanhol e também pelo país. Então liguei para meu pai para dizer a ele que era isso que eu queria fazer: me tornar um profissional padel.

A partir daquele momento, entrei 100% e em 2008 me mudei para a Espanha para treinar e me tornar um jogador profissional. ”

“Hoje há mais circuitos do que antes”

“Não foi fácil para mim vir para a Espanha.
Hoje há muita competição com vários circuitos que permitem aos jovens subir a escada para chegar às alturas. Além disso, do ponto de vista econômico, a padel está ficando cada vez melhor e, como você disse, os jovens podem retornar mais facilmente à Argentina para encontrar suas famílias. É verdade que quando você é jovem e para atingir seus objetivos tem que deixar sua casa, seu país para outro lugar a milhares de quilômetros de distância, pode ser difícil. Além do treino e da competição muito intensos, as nossas mentes colocam-nos à prova.

O facto de hoje existirem mais circuitos permite que cada vez mais jovens entrem em competição."

“O APT é um grande circuito”

“O APT é um grande circuito, uma estrutura importante que ajuda enormemente o padel desenvolver. Como vos disse, é uma opção adicional para os jovens que querem embarcar num circuito profissional. Existem muitas etapas na América Latina que permitem que os jovens do continente tenham uma posição mais fácil na competição.

Também ajuda a padel crescer muito rápido e eu acho isso ótimo.”

“Espero que os circuitos se unam”

Pudemos ver que este ano os jogadores não ficaram ociosos.
Na verdade, alguns vão participar em nada menos que 34 etapas distribuídas por dois circuitos. Uma escolha feita há alguns meses pelos jogadores que apostam no novo circuito oficial da FIP, Premier Padel.

"Sim 34 torneios no ano é difícil mas decidimos apostar neste novo circuito e estamos felizes por estarmos presentes aqui hoje. Daremos tudo nesta temporada e no próximo ano para participar de todos os eventos possíveis. Temos obrigações com o World Padel Tour e para Premier Padel mas vamos nos esforçar para fazer de tudo para fazer crescer o padel. E então veremos o que acontece.

Hoje Premier Padel dá-se os meios para desenvolver a padel e colocá-lo onde ele merece. Veremos se em dois anos é possível uma união entre as duas entidades e espero que haja uma para o bem da padel. Eu realmente espero que haja uma união entre os circuitos para que seja benéfico para nossa disciplina e eu realmente quero acreditar nisso."

“Uma boa temporada com Lucho”

“Sou um jogador que alcançou todos os seus objetivos em sua carreira. Hoje meu objetivo é ser competitivo e me sentir no meu melhor. a padel tornou-se muito competitivo e detesto perder (risos): quero ganhar todos os jogos, torneio após torneio.

avecs Eu luto Capra queremos ganhar títulos, esse é o nosso principal objetivo. Tenha sucesso em marcar mais pontos a cada vez, vença partidas e tente jogar o maior número possível de finais."

Maxi Sanchez e Lucho Capra

“Kuikma é uma marca muito profissional”

“Quando a Decathlon pensou em mim para iniciar uma parceria, achei brilhante porque é uma marca muito grande. Acho que trabalhamos bem juntos, conseguimos melhorar muitas coisas e me sinto ainda mais profissional porque é a marca mais profissional com a qual tive a chance de trabalhar”.

Maxi, roqueiro de coração?

É comum os jogadores ouvirem música antes dos jogos, para relaxar ou se motivarem. É uma grande parte do ritual pré-jogo deles se fechar e mergulhar em sua bolha.

E o Maxi? Não conseguindo fazer disso uma rotina, “el tiburon” conta-nos um pouco mais sobre o estilo de música que ouve.

“Adoro música, ouço muito rock argentino e em Madrid temos a sorte de algumas bandas se apresentarem no palco. Neste momento gosto particularmente de uma banda uruguaia chamada “No te va a gustar”. É o tipo de música que me desconecta e que eu mais gosto”.

Vitória nesta quinta-feira contra Miguel Yanguas e Javier Nieto, Maxi Sanchez e seu parceiro jogarão na tarde desta sexta-feira contra seus compatriotas Juan Tello e Federico Chingotto para um cara a cara 100% Albiceleste!

Sebastien Carrasco

Fã de padel e de origem espanhola, o padel corre em minhas veias. Muito feliz em compartilhar com vocês minha paixão através da referência mundial da padel : Padel Magazine.