Como parte do plano de desenvolvimento padel em toda a França, Padel Magazine teve a oportunidade de falar com Patrice Brulez, presidente da liga Hauts de France.

Nesta ocasião, ele discutiu conosco os vários temas sobre os quais gostaria de trabalhar para realizar a missão. Padel.

PM: Como você conheceu o padel ?

PB: “Eu tinha viajado para a Espanha há alguns anos e foi então que pude ver pela primeira vez pessoas praticando esta disciplina que ainda é pouco conhecida na França.

Algum tempo depois estávamos procurando uma animação para França/Suíça em 2014 como parte da Copa Davis. E como o padel tinha acabado de voltar para a Federação, e que tínhamos ligações com o LOSC pensamos em fazer uma animação padel na praça principal de Lille.

Essa ligação também foi feita graças a alguns jogadores que fizeram uma passagem pela Espanha durante sua carreira e que jogavam na época sob as cores do LOSC. Por isso, em colaboração com uma empresa sediada do outro lado dos Pirenéus, instalamos um local efémero no meio da Place de la République.

E para constar, o acordo que tínhamos com a empresa espanhola era que ela montaria e instalaria o campo, mas nós o compraríamos de volta depois. Foi assim que começamos a oferecer padel Na região".

Exposição de padel Copa Davis 2015 lugar da República em Lille

“Muito rapidamente achamos divertido e muito promissor, então em 2015 decidimos alocar um orçamento de 75 euros para este novo esporte. Também trouxemos os jogadores do LOSC para se apresentarem e ao mesmo tempo é uma certa Lucas Pouille que veio aprender padel conosco. Foi a primeira vez que ele segurou uma pala.”

PM: Então você foi uma das primeiras ligas a oferecer facilidades financeiras para este novo esporte que quase ninguém conhecia na França?

PB: “Sim, acredito que sim, com certeza também a liga Grand Est, que instalou uma rapidamente também, mas sim desde 2014 temos sido capazes de oferecer padel na nossa região, bem como ténis de praia. "

Terra de padel e tênis de praia Hauts de France

PM: Podemos dizer hoje que a liga Hauts de France é uma das pioneiras em termos de padel ?

PB: “Pioneiro no sentido de que fomos os primeiros a oferecer acesso a este esporte sim, mas ainda estamos muito atrás em termos de número de licenciados ou terrenos construídos como a região da Occitânia.

Podemos dizer que nunca chegamos atrasados. Mas também podemos dizer que a máquina teve dificuldades no início, provavelmente por causa do DNA dos jogadores que permaneceram fiéis ao tênis.

Hoje a situação mudou e decidimos investir um pouco mais. Agora podemos contar em nosso centro de Lille, três pistas: uma ao ar livre e duas internas."

PM: Surgiu um auxílio de 5 euros por via construída, ainda é relevante?

PB: “Sim, claro, é um subsídio alocado pela Federação (FFT) e que usamos antes para iniciar este projeto padel.

Conosco para a construção dos nossos dois campos cobertos, ou seja, padel carpetes de última geração, de qualidade, acrescentando também revestimentos de madeira, iluminação etc, nos custou 595 euros."

PM: E para concluir esta pequena troca, você poderia nos dizer quais seriam seus próximos projetos dentro da liga Hauts de France?

PB: “Gostaríamos de criar uma política de juventude de alto nível e organizar estágios para dar maior visibilidade ao padel. Também organizaremos treinamento para futuros instrutores em nosso centro da liga.”

Nosso Time Padel Maio

a equipa Padel Magazine tenta oferecer a você desde 2013 o melhor de padel, mas também pesquisas, análises para tentar entender o mundo de padel. Do jogo à política do nosso esporte, Padel Magazine está ao seu serviço.