[tipo de caixa = ”info”]Padel Magazine - Raul Arias, ex-jogador profissional tornou-se um, presidente da associação de jogadores profissionais de padel. Ele faz um balanço de seu primeiro ano e nos dá sua visão sobre a gestão do World Padel Tour. [/ Box]

Padel Magazine : Este é o seu primeiro ano à frente da associação de jogadores profissionais de padel. Você pode nos atualizar sobre o ano 2013?

Raul Arias: Estamos muito satisfeitos com o nosso trabalho. Tivemos o show deste ano com nossos torneios do World Padel Tour. Grandes jogos, muito espetaculares que o padel só pode desenvolver com esses ativos.

Olhe para esse público que tivemos, muito ativo, muito conhecedor e apaixonado por esse padel. Com esta atmosfera geral, só podemos ficar satisfeitos com este ano.

Também há muita qualidade nos jogadores, basta ver o que temos no Masters, mas não apenas. Há jovens entrando e jogando muito bem.

As pessoas que amam esse esporte são sempre mais numerosas e vêm de todas as categorias sociais.

Então, podemos dizer que, globalmente, é muito positivo.

Padel Magazine : Depois de um ano tão positivo, imagino que os objetivos foram revisados ​​para cima?

Raul Arias: A World Padel Tour deve absolutamente se internacionalizar, mesmo que já tenha feito muito trabalho. Hoje, os principais torneios são disputados na Espanha, mas estamos fazendo tudo para que haja precisamente estágios em outros lugares além da Espanha, Portugal e Argentina, que tiveram muito sucesso. Isso nos encoraja a continuar nesse caminho.

Padel Magazine : E então a França ... Nós também teremos uma etapa da World Padel Tour em pouco tempo?

Raul Arias: Antes de tudo, a prioridade é se fortalecer na Espanha e ter um Padel seguro disso. Mas é obviamente muito importante que o padel saia da Espanha, para os países da Europa e do mundo mais globalmente. Com este 2014, pode haver novas etapas. Tentamos desenvolver o padel com esse tipo de evento. É bom para o mundo. Mas seria muito interessante se pudéssemos fazer uma escala na França. Há muito o que fazer.

Padel Magazine : Gostaria que ficássemos um pouco mais na França. O que pode ser feito para ajudar o remo francês a se desenvolver?

Raul Arias: Acho que temos que ir passo a passo, à medida que desenvolvemos a atividade na França, para que as pessoas descubram um pouco mais esse esporte. A França se desenvolverá através de uma boa comunicação e seu jornal é uma prova de que o padel está crescendo. As pessoas vêem através de você que o padel é uma máquina bonita com este jogo espetacular. As pessoas estarão mais motivadas a construir terras ou abrir clubes de padel.

Padel Magazine : Somos um país onde existem muitos jogadores de raquete, você não pode ajudar diretamente na França através de um escritório específico?

Raul Arias: Eu acho que, de fato, a França tem uma grande tradição de tênis, com uma poderosa federação de tênis, existe em torno desse esporte um importante potencial para o padel. Tenistas e outros esportes de raquete serão apaixonados por tênis de raquete. Entendo que o número de tenistas, por exemplo, na França é pelo menos tão importante quanto na Espanha, e acredito até mais. Uma federação forte poderia mostrar dessa maneira. Mas as coisas estão sendo feitas aos poucos, como por exemplo em Nice.

Padel Magazine ; Temos clubes legais como Nice, Toulouse, Aix ou Perpignan, também há um novo clube no interior de Laval que abriu suas portas há pouco tempo, o padel está funcionando ... Mas ajuda fora pode ser necessário para o padel realmente levar?

Raul Arias: Sim, o padel está crescendo na França, pouco a pouco, com esses clubes de padel crescendo, espero que o ano 2014 seja proveitoso para o padel francês. Vamos ver isso.

Padel Magazine : Também temos um novo clube de padel ao lado de Mônaco, em Beausoleil, mais precisamente, o que você deve saber?

Raul Arias: Não, eu não sei, estou em contato com pessoas em Mônaco e tentamos desenvolver as coisas. Mas como dizemos boa sorte a este novo clube e ao padel francês.

Padel Magazine : O que está faltando no padel para terceirizar com força?

Raul Arias: Acho que há falta de comunicação nos países para permitir que esse esporte se desenvolva. O padel ainda não é conhecido. Como dizemos, as coisas são feitas aos poucos. Por exemplo, a Alemanha e a Suíça agora estão construindo muitos campos de padel. A Alemanha, graças a isso, está se desenvolvendo fortemente. E com este tipo de desenvolvimento, haverá um impacto em todos os países europeus. Eu realmente acredito que o padel vai crescer fortemente. E depois há Munique em pouco tempo.

Padel Magazine : Quais são as suas relações com a International Paddle Federation?

Raul Arias: Está indo muito bem. Existe um relacionamento muito bom entre nós. Eles também promovem o padel. Costumamos falar sobre países em desenvolvimento e tentamos apoiá-los. O FIP tem um objetivo um pouco diferente do nosso, porque tem um olhar muito atento ao desenvolvimento de padel em outros países europeus.

Padel Magazine : E com a França? Quais são os relacionamentos?

Raul Arias: Não temos muito relacionamento com a França, esperamos, é claro, que ela se desenvolva e haja um melhor relacionamento com as autoridades francesas de remo, mas, no momento, não há grande coisa.

Padel Magazine : Finalmente, você tem uma mensagem para enviar ao padel francês?

Raul Arias: Desenvolva o padel, construa os campos, abra clubes de padel, e espero que possamos fazer um bom trabalho junto com esse grande esporte e ver jogadores franceses entrando no circuito.

Franck Binisti - Padel Magazine
Franck Binisti

Franck Binisti descobre o padel no Pyramid Club em 2009 na região de Paris. Desde então padel faz parte de sua vida. Você costuma vê-lo em turnê pela França, cobrindo os grandes eventos franceses de remo.