A sequência de torneios e viagens pesam nas organizações. Na verdade, desde o início da turnê sul-americana, já houve quase uma dezena de desistências ou desistências por lesões.

No momento nada de muito grave, mas algumas falhas que impedem alguns de continuar. Para Alejandra Salazar e Claudia Jensen a culpa foi da parte superior (respectivamente cotovelo e peitoral), para Tamara Icardo, Javi Ruiz e Ana Catarina Nogueira a culpa foi da parte inferior…

Se os jogadores estivessem muito felizes em finalmente ver a guerra entre o WPT e Premier Padel Apesar de ter de disputar menos torneios, o ritmo actual, certamente menos sustentado que o do ano passado, continua a ser bastante traumático.

Desde o início do torneio no Chile, já sofremos três lesões: Tamara Icardo e Salva Oria na chave principal, além de Lucia Perez nas anteriores.

Os problemas são diversos, no caso de Salazar por exemplo, a sequência de jogos importantes ao longo de anos, e numa idade que começa a ser avançada, está certamente em causa. Para os jogadores anteriores que também participam no FIP Tour e que por isso passam o tempo a viajar, são estas numerosas viagens que certamente começam a cobrar o seu preço em algum momento.

Embora sabendo obviamente que as lesões são uma parte inevitável da competição, questionamo-nos se o ritmo actual, com por vezes três semanas quase sem descanso, e viagens cada vez mais distantes e numerosas, é completamente viável a longo prazo...

Xan é fã de padel. Mas também o rugby! E suas postagens são igualmente vigorosas. Treinador físico de vários padel, ele desenterra postagens atípicas ou trata de assuntos atuais. Também dá algumas dicas para desenvolver seu físico para o padel. Claramente, ele impõe seu estilo ofensivo como no campo de padel !