Vários jogadores de padel profissionais encontram-se numa situação insuportável que os impede de realizar seu trabalho normalmente. Um jogador e um jogador têm a coragem de falar sobre um assunto que foi amplamente tabu até agora.

A liberdade de expressão

Tudo começou quando o jogador argentino Ramiro Pereira decidiu se manifestar nas redes sociais. Um torneio foi organizado pela APT Padel Tour em sua cidade natal de Mar del Plata, mas o jovem argentino não pôde jogar na competição por motivos administrativos.

Não é a primeira nem a última vez, mas o argentino ficou particularmente decepcionado por não poder jogar na frente de sua família.

"Na semana passada foi realizado um torneio APT em Mar del Plata, na minha cidade, na minha casa. E não pude viajar por problemas de papelada. Provavelmente foi um dos torneios mais importantes dos últimos anos na minha cidade…”, lamentou Ramiro.

rama pereyra oeiras
Ramiro Pereyra no APT Oeiras Open 2022 – Créditos das fotos Padel Magazine – Olho de Padel

Le padel, uma profissão não reconhecida

“Na minha situação, estando na Europa, registrado como domiciliado aqui, só posso me dar ao “luxo” de viajar para jogar no continente e com cuidado. Porque isso ? Como não tenho passaporte ou “papel” que me permita jogar torneios em todo o mundo, obviamente é muito difícil ir a todas as competições", continua o 46º jogador no ranking do APT.

A raiz do problema está no fato de que esses jogadores sul-americanos não se beneficiam de visto de trabalho quando se instalam na Espanha para exercer sua profissão.

Alguns conseguem encontrar desfiles como matricular-se na universidade para ter visto de estudante, uma solução que não é duradoura. Um jogador até nos disse um dia que havia iniciado um processo de casamento para obter documentos. A solução milagrosa é muitas vezes ter um avô italiano para se beneficiar deste famoso passaporte europeu.

Os jogadores não podem correr o risco de serem despachados sem um visto válido, e é por isso que alguns nem voam para a União Europeia. Eles viajam principalmente de ônibus e raramente saem da Espanha.

Nerea Derbis Oeiras

"Estamos com medo"

Atualmente, oito jogadores estariam nesta situação. Uma situação difícil para eles, e alguns talentos sul-americanos também podem ser forçados a desistir do caso se ninguém os ajudar.

“Podemos viajar e participar de certas competições, mas temos medo!", Explicar Nerea Derbies à Padel Magazine. De fato, uma simples verificação policial pode ver que um jogador sem visto válido se vê obrigado a deixar o território. Apesar dessa situação, Nerea não quer abrir mão de seu sonho de estar entre as melhores.

“Gostaríamos de obter apoio para nos permitir continuar a dedicar-nos a este desporto maravilhoso”, ela continua.

“Gostaria que circuitos que envolvam jogadores profissionais (WPT, APT, FIP) pudessem nos dar uma solução ou pelo menos estar cientes do problema. Com tantas associações de jogadores, federações profissionais, poderíamos ser ajudados. Até agora, apenas uma associação deu luz verde e começou a abordar esta questão”, explica Rama Pereyra a Padel Magazine.

Qual solução?

Le padel é um esporte jovem, e o padel profissional ainda tem um longo caminho a percorrer para ser considerado uma verdadeira profissão. Há alguns anos, ou até menos, apenas um punhado de jogadores poderia realmente ser considerado profissional. Aos poucos, as coisas estão mudando. Diz-se que um jogador está assinando um contrato anual de dois milhões de euros com uma marca, provando que há dinheiro neste esporte, pelo menos para o melhor.

O prêmio em dinheiro das competições vem aumentando desde a chegada de Premier Padel, e há todos os motivos para acreditar que mais jogadores poderão ganhar a vida com sua participação em torneios e contratos de patrocínio nos próximos anos. No entanto, a situação permanece inalterada para outros, especialmente aqueles que não têm a sorte de ter um avô europeu…

A especificidade de padel é que jovens jogadores talentosos são forçados a se mudar para a Espanha para tentar a sorte. No tênis, os jovens talentos sul-americanos não precisam morar na Europa e deixar sua residência em seu país de origem. Eles, portanto, não precisam de um visto de longo prazo.

A maioria dos grandes talentos sul-americanos que conhecemos passaram por esta caixa, no momento em que o padel não era tão internacional. A nacionalização, a ajuda de um patrocinador ou a permanência de 5 anos no território são muitas vezes as soluções, mas não fáceis de obter para os jogadores que estão na parte inferior do ranking internacional.

As associações de jogadores devem apoiar esses atletas que colocaram a vida familiar em pausa para se estabelecerem na Espanha. A Federação Internacional de padel (FIP) deve estar atento ao problema para proteger os jovens talentos sul-americanos que dão diversidade a este esporte.

Padel Magazine apoia o discurso de Ramiro Pereyra e Nerea Derbis, e convida todos os meios de comunicação do padel fazer eco para que chegue aos ouvidos das federações, o que certamente pode mudar a situação.

Por seus nomes, podemos adivinhar suas origens espanholas e italianas. Lorenzo é um poliglota apaixonado por esportes: jornalismo por vocação e eventos por culto são suas duas pernas. Ele é o cavalheiro internacional de Padel Magazine. Você o verá frequentemente nas várias competições internacionais, mas também nos principais eventos franceses. @eyeofpadel no Instagram para ver suas melhores fotos de padel !