Há alguns dias participamos do Head Padel Open. Foi uma oportunidade de conhecer várias personalidades que vieram se divertir e se divertir no 20×10.

Foi o caso do jogador de handebol William Acmbray. O natural de Cannes e atual lateral-esquerdo do Pays d'Aix UC esteve presente neste grande evento e confidenciou ao microfone do Padel Magazine sobre suas impressões sobre padel.

Do handebol ao padel ?

“Jogo difícil, quando você começa a jogar com jogadores de outro nível, é aí que você vê a diferença (risos)”.

"Não jogo regularmente porque durante a temporada temos dois jogos por semana, o que dificulta bastante a possibilidade de jogar. No entanto, durante as férias com os amigos, sim, consigo jogar um pouco mais.”

"Acabei de tirar minha licença em Aix-en-Provence e ver esse tipo de torneio me faz querer jogar mais. Há um bom ambiente. Normalmente eu toco mais por diversão, mas aí com essa noção de competição faz você querer entrar um pouco crescendo. Há jogadores muito bons lá, mas em competições um pouco mais simples posso ter muito prazer em jogar.

"Meu problema hoje especialmente é saber quando avançar e quando recuar em relação à bola, eu diria a visão do jogo, me sinto melhor na defesa do que no ataque no momento porque ainda não me atrevo a atacar muito. No meu esporte, handebol, eu sei atacar, mas padel ainda não é isso”.

Cada vez mais atletas estão entrando padel

“Jogo com o Jérôme Fernandez que pratica muito e que começa a ter um nível muito bom. Também jogo com outros atletas. Na verdade, tenho amigos de vôlei ou pólo aquático que padel. É um esporte que agrada a todos e é muito divertido em comparação com o tênis que é muito mais complicado”

A entrevista está disponível abaixo

Sebastien Carrasco

Fã de padel e de origem espanhola, o padel corre em minhas veias. Muito feliz em compartilhar com vocês minha paixão através da referência mundial da padel : Padel Magazine.