Na Padel Magazine adoramos grandes histórias e encontros interessantes. Tivemos a sorte de poder conversar um pouco com Cecilia Baccigalupo, pioneiro de padel na Argentina desde a década de 1980.

A ex-campeã mundial e número 1 voltou para nós em seu início, sua carreira e confidenciou sua visão do padel atual.

Número 1 por quase 10 anos

Padel Magazine : Conte-nos sobre seu início no mundo da padel e como você descobriu esse esporte?

Cecilia Baccigalupo "Para resumir, comecei padel em 1986, quando estava de férias em Punta del Este, Uruguai. Havia um campo na praia para onde eu ia e fui convidado a experimentar esse esporte. Achei ótimo e achei que era para mim. Toda a minha vida joguei tênis e, acima de tudo, adoro jogar em duplas. Além disso, joguei a pelota basca, o que me permitiu me familiarizar com as paredes.

Então participei da minha primeira competição na categoria masculina porque não havia mulheres suficientes e com meu parceiro vencemos. Desde aquele dia eu me tornei o promotor do padel mulher ao lado de Adriana Costagliola. Entrei em contato com o presidente da associação de Madrid e foi assim que o primeiro torneio feminino foi organizado em 1989.

Para mim desde o início o padel foi dedicado a todos sem distinção. Na Argentina todos jogavam e foi a partir da década de 1990 que o padel explodiu lá. Tanto que conseguimos contar até dois milhões de praticantes de uma só vez. Surgiram cada vez mais torneios masculinos e femininos. Realmente era um esporte para todos. No entanto os preços bem como os contratos com os patrocinadores eram muito mais vantajosos para os senhores mas isso não é novidade e vemos isso em quase todos os desportos.

PM: Conte-nos sobre sua evolução no padel

CA: “Comecei a dar aulas de padel, eu também era professor de educação física e era membro da associação de padel Argentina. Assim, organizamos com outros professores a juventude do primeiro mundo. Em 1989 também jogamos e ganhamos o primeiro Masters em Madri com Adriana Costagliola e três anos depois ganhei a Copa do Mundo em Sevilha com China Mazzuchi. Em 1994 repetimos o feito em Mendoza na Argentina com Adriana Costagliola e dois anos depois conquistamos o tricampeonato mundial na capital espanhola.

Eu fui o número 1 por quase 10 anos. Aposentei-me como jogadora profissional quando engravidei, mas continuei muito ativa no desenvolvimento do padel.

Depois de todos esses anos, decidi criar uma fundação para pessoas com deficiência intelectual, para que possam praticar esportes. Começamos com o padel e depois adicionamos outras disciplinas como futebol, tênis, hóquei ou até basquete.”

PM: Por que o padel ele explode agora e não antes?

CB: “Acho que o fato de o padel tornou-se um esporte um pouco mais televisionado e divulgado via redes sociais ajuda enormemente no seu desenvolvimento. Além disso, é um esporte bastante espetacular e agradável de assistir. Os jogos são um verdadeiro espetáculo. É por isso que gostaria de agradecer a todas as pessoas que colocaram a sua pequena pedra no edifício e que fizeram a padel estar agora onde está hoje. Meu sonho seria que essa disciplina fosse olímpica."

O atributo alt desta imagem está vazio, seu nome de arquivo é Diego-Maradonna-et-Cecicila-Baccigalupo-1024x576.jpeg.
Diego Maradona e Cecilia Baccigalupo

Unir para harmonizar as regras

PM: Você imaginava um dia ver padel em Roland Garros?

CB: “Quando fui chamado em 1990 para desenvolver o padel na França, fui a Toulouse para um evento com jornalistas e atletas. A pessoa que me contactou disse-me que se o padel decolou na França, um dia o veríamos em Roland-Garros. Trinta anos depois, tive a sorte de poder participar do primeiro torneio em Roland-Garros e foi incrível."

PM: Para você, o que evoluiu no padel nos últimos 20 anos?

CB: “Mesmo assim as regras eram diferentes. Quando jogamos na Espanha ou Argentina alguns pontos das regras podem variar dependendo do país, por exemplo o serviço. Na Espanha os jogadores serviram na altura dos ombros, enquanto na Argentina não foi assim. Mas conseguimos todos concordar em harmonizar as regras.

Além disso, se considerarmos a parte física, os jogadores da época estavam menos preparados do que agora. Eles não davam tanta importância à preparação física quanto os jogadores profissionais hoje. Acrescentemos também que, na época, os praticantes cometiam mais erros não forçados do que agora.

Le padel hoje é muito mais técnico e tático com o viboras, bandejas ou o "par3" que os jogadores conseguem recuperar fora da pista. Não tínhamos um professor para nos ensinar todos esses aspectos.

Acho que cada passo do padel é interessante e que a evolução é positiva. Hoje podemos assistir a partidas maravilhosas, tanto para homens quanto para mulheres."

PM: Qual é a sua opinião sobre o boom padel mas também em seus lados mais negativos, como conflitos entre circuitos. Já existiam tensões a nível institucional?

CB: “Para ser honesto, estou muito feliz em ver meu esporte se tornando uma disciplina conhecida mundialmente. Em relação aos conflitos sempre houve alguns, mas acredito sinceramente que todos devemos nos unir entre jogadores, associações, circuitos para crescermos juntos. É a melhor solução para esportes."

PM: O que você está fazendo hoje?

CB: “Moro na Argentina, mas desenvolvo treinamento em todo o mundo. Este ano, por exemplo, estive em Milão e no próximo ano provavelmente estarei na França e na Espanha. Gostaria muito de viajar para outros países onde o padel cresce cada vez mais como a Suécia ou o Qatar. Sou apaixonado e quero poder passar todo meu conhecimento e minha experiência a todos esses novos jogadores, sejam homens, mulheres ou crianças.

Mas o que me agradaria ainda mais seria trazer meus conhecimentos de padel a todas as pessoas com deficiência para que também possam desfrutar do 20×10.

Acrescento ainda que vamos abrir uma fundação em Espanha e que vamos realizar treinos e torneios com vista a doar os fundos a esta associação.

Instagram: Fundação Baccigalupo

Sebastien Carrasco

Fã de padel e de origem espanhola, o padel corre em minhas veias. Muito feliz em compartilhar com vocês minha paixão através da referência mundial da padel : Padel Magazine.