Conhecido em França por ter sido nomeadamente o treinador de Léa Godallier, Jorge de Benito já havia deixado boas lembranças em Bordeaux, onde foi treinador aos 4Padel e formadora dos professores do grupo.

Desde janeiro passado, ele se juntou ao M3 Padel TraffickWatch em Madri, ao lado dos craques Mariano Amat e Jorge Martinez. É aqui que treinam jogadores muito bons, como o número 1 do mundo Galan e Lebron, os gêmeos Alayeto (15e e 16e), José Diestro (31e), Javi Leal (41e), Miguel Semmler (50e) ...

Embora também acompanhe duplas masculinas em competição, Jorge de Benito é acima de tudo um especialista em padel feminino, que ele estuda torneio após torneio. Perguntamos a ele sobre as especificidades deste jogo, mas também sobre os desenvolvimentos atuais entre as mulheres.

Mais paciência nas meninas

Padel Magazine : Jorge, você concorda que o jogo feminino é mais tático e inteligente que o masculino?

Jorge de Benito: “Acho que as meninas, no padel, são muito mais espertos do que os meninos em seu jogo. Por quê? Porque os meninos têm habilidades físicas que os fazem querer estourar a bola e tirá-la imediatamente. Com as meninas é diferente, elas têm que pensar. »

O contraste entre a assunção de riscos das tenistas e a das tenistas padel é bem marcante...

Jorge de Benito: “No tênis, é verdade que as meninas batem muito forte, e muitas vezes não funciona, elas cometem muitos erros. No padel, é o contrário: as meninas repetem os tiros de espera e continuam "bandeja, vibora, finta, vibora…”. Então eu, como treinador, também encorajo meus jogadores a às vezes estourar a bola e correr mais riscos. »

É a falta de poder das senhoras que explica sua paciência?

Jorge de Benito: “Na minha opinião, é sobretudo uma questão de confiança. Poucas garotas têm fé cega em seu sucesso. Quando uma bola está no ar e eles podem cravá-la, eles pensam muito. Enquanto um cara, mesmo que não esteja transbordando de confiança, ele sabe que é capaz de fazer um smash vencedor ao estourar a bola. »

Jorge de Benito é agora treinador da M3 Academy, onde muitas estrelas treinam em Madrid.

Un padel cada vez mais explosivo

Como treinador, você aconselha seus jogadores a praticar um jogo mais explosivo?

Jorge de Benito: “No tênis, quanto mais forte você bate, mais tempo você priva seu oponente de se organizar e se mover. No padel, é o contrário: quanto mais forte você bate, mais você se priva de tempo para se mover. É por isso que quando você começa em padel na Espanha, seu professor ensina que você tem que trabalhar muito tempo no ponto, alternando bolas altas e baixas, em vez de correr para acertar a bola com força.

Quando tenistas de bom nível começam a jogar padel, todos eles querem estourar a bola. Isso funcionará com jogadores de padel nível médio que não conseguirão defender. Mas quando o zagueiro tem um bom nível, quem ataca mal geralmente vê seu poder se voltar contra ele.

em padel mulheres, vemos cada vez mais jogadoras – como Léa Godallier – que têm uma estrutura grande e adotam um estilo de jogo agressivo, seguindo seus lobs para a rede, bloqueando ou jogando vôlei e vôlei. Sou a favor dessa evolução, pois muitas meninas conseguem praticar esse tipo de jogo de forma eficaz.

Mas o que ainda domina no padel feminino, é padel trabalhado, tático, onde buscaremos criar buracos, construir pontos ao longo do tempo. No padel mulheres, ainda é raro ver jogadores tentarem a sorte sem pensar.

Acho que podemos dizer que o padel feminino de hoje se assemelha ao que era o padel homem há vinte anos. Mas as coisas estão mudando rapidamente. »

Jérome Arnoux jornalista

Após 40 anos de tênis, Jérôme cai no pote de padel em 2018. Desde então, ele pensa nisso todas as manhãs enquanto faz a barba ... mas nunca faz a pala na mão! Jornalista na Alsácia, ele não tem outra ambição senão compartilhar sua paixão com você, quer você fale francês, italiano, espanhol ou inglês.