O mestre do meu Padel O Tour 2017 é uma ótima safra. Alix Collombon / Jessica Ginier e Johan Bergeron / Bastien Blanqué vencem o evento. Mas não sem dificuldade.

Ginier / Collombon: Invicto

Nas damas, os números franceses superaram Audrey Casanova / Géraldine Sorel na final. No entanto, dada a performance dos dois pares, esperava-se uma grande final. Os campeões da França, sem dúvida, entregaram seu melhor jogo do fim de semana após um meio-tom nas meias-finais contra a talentosa Léa Godallier / Marianne Vandaele.

Tocados nesta semifinal após a perda de seu set neste torneio, mas não lançados desde que saltaram na final para a perfeição.

Vamos lá, qualquer pequena decepção, no entanto, Géraldine Sorel, que não conseguiu o seu melhor jogo na final quando é um grande jogador francês conhecido por sua regularidade.

Blanqué / Bergeron: Difícil de ser BB

Nossos campeões do título de padel da França nos fizeram viver um fim de semana louco. Embora Bastien Blanqué e Johan Bergeron não estivessem no topo neste fim de semana, eles conseguiram levar a mente até o fim. E é disso que temos que lembrar dessa bela vitória.

Sim, as partidas eram lindas. Sim, a competição está se organizando. Sim, difícil de ser BB. Mas sim, nossos franceses não desistiram.

Neste último grande torneio do ano com as melhores duplas presentes, Bergeron / Blanqué nunca sofreu tanto para chegar ao fim. Desde sua primeira rodada contra Landtsherre / Lerustre, o BB conseguiu passar nesta primeira rodada com dor (7/6 7/6).

Diante de Carité / Salines, nas quartas de final, tivemos o direito de certamente o melhor jogo do torneio, tanto em termos de qualidade de jogo quanto de suspense. Uma partida que os franceses vencem após uma luta o tempo todo e um match point salvo.

Nas semifinais, é trabalhoso. Primeiro, o par Tison / Morillon fez uma partida muito boa. Mas sim, nós tínhamos o direito

às vezes à ausência de Johan, às vezes às ausências de Bastien. Uma correspondência que termina aí também nos conjuntos 3. O par Tison / Morillon pode alimentar alguns arrependimentos, porque talvez houvesse algo a fazer para criar a façanha neste jogo.

Um final sem precedentes

Na final, tivemos direito a uma final sem precedentes. A culpa é da dupla Loïc Le Panse / Maxime Moreau, que conseguiu a semifinal para eliminar a segunda dupla francesa Jérémy Ritz e Jérémy Scatena. Uma partida composta por 2 membros da seleção francesa. Isso mostra a qualidade desta semifinal. Se a dupla Ritz / Scatena conseguir vencer o 4º set 1/7, eles fazem um segundo set, vamos encarar, fantasmagoricamente que perdem 6/6. Surpreendente neste nível de competição. Moreau / Le Panse está totalmente revivido e consegue vencer o 0º set por 3/6 enquanto ele perde por 4/4!

Maxime Moreau e Loïc A barriga realmente combinou muito. Mas o par Ritz / Scatena mostrou ausência em algum momento da partida que é caro.

Na final, Bergeron / Blanqué enfrentou Morean / Le Panse. Mais uma vez, Maxime e Loïc fazem uma ótima partida. Mas Bastien e Johan terminam vencendo esta partida nos sets 3.

O mestre meu Padel Tour 2017: um grande sucesso

Nos controles deste circuito, Laurent Imbert e Alexis Salles. Eles conseguiram criar uma competição essencial da raquete francesa. Nesse mestre, eles transformam o teste.

Em breve, retornaremos ao circuito 2018;

Franck Binisti

Franck Binisti descobre o padel no Pyramid Club em 2009 na região de Paris. Desde então padel faz parte de sua vida. Você costuma vê-lo em turnê pela França, cobrindo os grandes eventos franceses de remo.